quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Textos de Ademar

O AR.

Percebo o ar e ele e vida. Existe ele e nada mais. Só tenho respiração e isto é tudo. 
O ar alimenta meu corpo e minha mente. Sinto não precisar de mais nada.
Também não me percebo corpo. O que sinto agora e só o ar que entra e sai. Então não sou corpo nem mente. Sou apenas ar.

A CACHOEIRA.

Há algum tempo tive uma cachoeira disponível, perto de casa. Usufrui, mas não tanto.
Agora me lembro do quanto era bom e o quanto perdi por não aproveitá-lo mais.
Ah, quantas e quantas vezes inventei razões e senões para não ir até ela. Quantas vezes deixei de sentir o bem que ela me fazia. A massagem no rosto, nas costas, na cabeça. Como não percebi naquela época.
Será que agora não estou aproveitando as riquezas que estão perto de mim.  Quantas riquezas podem estar disponíveis e eu não conheço ou reconheço o devido valor.
Talvez seja preciso mais consciência daquilo que signifique um valor, um bem, uma qualidade e que eu possa desfrutar.
Estas riquezas poderão estar próximas, junto de mim, e ao mesmo tempo invisíveis, escondidas da minha percepção.

Preciso estar acordado, desperto para não deixar passar por mim outras cachoeiras da vida.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Textos de Hans Christian Wiedemann.

Hans Christian Wiedemann é editor do blog http://vamospensaravida.blogspot.com.br/

Na XV SEPEX, participou da Oficina de Criação Literária coordenada por Edna Domenica Merola, no estande do NETI, no dia 21/10/2016, integrando-se ao grupo na semana seguinte.
Acredita que todos nascem com dons, uns mais fortes, outros mais moderados. E que ao aplicar amor a algo pode-se aprender e desenvolver dons escondidos, muitos por ocasião da educação.


Constelando a Paz

A Via Láctea é um coletivo de astros,
Que desenvolve a atração entre os corpos,
Todos interagindo com todos.

O Sistema Solar é o coletivo de seus planetas,
Que diretamente influenciam a Terra,
Permitindo nosso aprimoramento.

Cordilheiras são o coletivo de serras,
Nestes se concentram as nuvens,
Um coletivo de gotas.

As chuvas com sol propiciam o verde,
Estimulando o aparecimento da fauna,
Que representa a mobilidade da vida.

A humanidade desenvolve cidades,
Um coletivo de prédios,
Cada um aglomerando os Homens.

Acreditando na comodidade do Ser,
O Homem empilha as casa,
Chamando-os de apartamentos.

Melhor se chamariam apertamentos,
Pois dispensam a natureza do verde,
Isolando o Ser da terra.

Cada um procurando conforto,
Garantindo a segurança do Ser,
Esquecendo a natureza da vida.

Afastados do verde frescor,
Desenvolvem tensão coletiva,
Levando todos ao caos.

Melhor faria o Homem,
Se repensasse a vida,
Escolhendo uma natureza central.

Encontrando sua felicidade na Paz,
Dando ao Ser formosura,

E ao coração a doçura.

Modernidade

Nada é melhor ou pior,
Simplesmente diferente.
Atendendo a vontade do Ser,
Segundo a mudança do tempo.

Novidades se transformam em peso,
Antiguidades deixam de servir.
O ócio atrapalha o crescer,
A velocidade perturba o Ser.

A raiz procura seu espaço,
Respeitando o espaço cedido.
Se nutre dos sais do planeta,
Inspirando a natureza a crescer.

O animal percebe o aroma da planta,
Precisando satisfazer sua fome.
Com o que resta fertiliza o solo,
Permitindo outros comer.

Assim continuam os ciclos,
Na infinidade dos tempos.
A natureza desconhece julgar,
Fazendo só respeitar.

O Homem tendo Livre Arbítrio,
Poderia usar a razão,
Usando o coração,
Poderia ser sempre feliz.

HAICAI

Todos os dias,
A escola ensina,
Nós aprendemos.

Dirigindo

O som encanta,
Uma frase convence,
O Ser dirige.

Flautas Oram

A flauta fala,
O violino chora,
Os dois oram.

Juntos Vivemos

O vento uiva,
Todos nós respiramos,
Vivemos juntos.

Pensando

Rever pensando,
Orando, meditando,
Doando Amor.

Vida Feliz

 Felicidade,
A plena consciência,

Vida integral.

Sintonia na Água

A água é um fluido incrível,
Que na Terra encontramos em todos estados.
É o elemento essencial à vida,
Representando grande parte da Terra.

Seus átomos compõem todas as matérias,
Representando assim o esqueleto.
Ela distribui os detalhes,
Permitindo a diversidade no mundo.

Armazena as vibrações naturais,
Permitindo o equilíbrio do todo.
Cura o Ser dos seus males,
Pela simples ingestão do mesmo.

Quando corre em grandes volumes,
Carrega sólidos a grandes distâncias.
Modificando assim a aparência das serras,
Criando vales, lagos e rios.

Depositando-se em profundas fossas,
Cria planícies e desertos extensos.
Representando o belo em tudo,
Independente de seus estragos.
                                                                            
Por ser molécula muito pequena,
Intercala tudo na Terra.
Produzindo o macro e micro,
Como desertos ou cristais.

Desenvolve as plantas,
Que alimentam os animais.
Permitindo a existência da vida,

Criando sintonia e Paz.

Risonha Luz

Muita Luz,
Dia claro,
Praia limpa,
Alma risonha.

Espelho Perde

O espelho reflete,
A alma percebe,
O ego exige,
O Ser se perde.

17 de novembro de 2016.
Complexo Simples

A vida é simples,
A complexação é nossa.
O Ser existe sem saber,
Pois está perdido.

Um amontoado é simples,
Nos parece complicado.
Por deixarmos de ver o todo,
Acreditamos no embolado.

O simples é sempre único,
O conjunto parece complexo.
Assim complicamos as coisas,
Para nos fazer importantes.

Uma incógnita é simples,
Algumas são mais complexas.
Responder uma questão pode ser fácil,
A muitas quase impossível.

O coração como unidade é simples,
Como órgão um complexo intrincado.
O ser é um conjunto simples,
Para nós um indescritível complexo.

Dividir pode ajudar explicar,
Mas impede de ver o conjunto.
Assim faz o Homem na vida,
Se perdendo na visão do detalhe.

Olhando a harmonia,
Percebemos a viva orquestra.
Olhando um instrumento,

Perdemos a Sinfonia.

17 de novembro de 2016.
Coletivo de textos

O arrebatamento,
De novos encontros.
Sonho, sonhos que, um dia,
Vão florescer,
Os sentimentos fraternos.

Na Alameda da Poesia,
O endereço desta poesia,
Na alameda está na esquina
Onde se encontram
A ginástica com a música.

O Ar é o elo,
Entre mim
E meu semelhante.
Música, Maestro!
Muita música no ar!

E só existe o Ar.
E nada mais.
Então não sou Corpo,
Sou Mente
A vida: o ar.

Que respiro,
Que transpiro,
Amor.
Como é difícil amar,
O que não se vê.

Numa visão clara,
Colorindo,
O Espaço,
Com as cores,

Do arco- íris.

13 de novembro de 2016.

Muito oportuna a Lua nesta Lua de novembro.
Complementado esta linda poesia.
Como encanta a Lua,
Quando andamos na Rua.
Nesta natureza crua,
Que pode machucar como pua.
Mas o amor perpetua,

Quando a sinceridade é sua.

13 de novembro de 2016.

A Natureza é infinita,
Sendo sempre perfeita,
Sua beleza enche os olhos,

Mesmo usando antolhos.


Função Divina

Na Terra temos só uma Função,
Encontrar a Paz do Coração,
Tendo como arma a Comunhão,

Da caridade com Amor na União.

Aventura Escura

Nesta noite muito escura,
Falta Lua e falta Luz.
Parecendo ser tinta Pura.

Nela nada à vista conduz,
Por ter a intuição impura.
Esperando uma fonte de Luz.

Quando amanhece a aventura,
A claridade a todos seduz.
Para a vida com muita Ternura.


Criação Literária

A turma de experientes de criação literária,
Recebe com carinho os ensinamentos da mestra.
Aprendendo em todas as aulas novos estilos,
Que procuram transformar em ensaios.

Somos como crianças birrentas,
Imaginando fazer sempre melhor.
O que vale é o exercício mental,
Recebendo com amor o aplauso.

Os exercícios que fazemos em sala,
Despertam nosso Eu interior.
Esquecemos assim as barreiras,
Contribuindo para a harmonia global.


A Origem do Idílio 

No idílio sonhamos com paz,
Encontrando a sintonia que vem do amor.
A calma resplandece na harmonia da alma,
As notas tocam o Ser no seu ponto sensível,
Refletindo o equilíbrio do seu Ser maior.
A contradição se desfaz permitindo fluir a calma.
A agitação precisa mostrar seu poder,
Estimulando a ação do passando.
Mostrando o caminho e vencendo os espinhos,
Na dor a consciência descobre a senda da humildade.
Mostrando ao nosso Ser maior
A importância do balanço final

A dança das músicas balança,
Os ritmos que fluem no Mar,
Mostrando os rumos do barco perdido.
Procurando um porto seguro,
Os habitantes afoitos procuram, na vida,
as referências esparsas no céu agitado,
Deixando para trás a mansidão da origem.

O Amor da Flor

A flor desabrocha,
Vinda da escuridão,
Da procura da vida,
Na senda de existência,
Do grupo unido,
No Holismo da vida,
Na consciência do Amor.

Sintonia Devolvida

A sintonia retrata o belo,
Estimulando o coração,
Que se expande na Harmonia,
Liberando a energia contida,

Para ao mundo ser devolvida.

Prazer

A vontade do Ser,
Quer Permanecer,
Continuando a Tecer,
Parecendo então Proceder,
A mudança de ser
Na vida seu Ser,
Assim deixando de Falecer,
Transferindo o Poder,
Para quem quer Saber,
Que vive com muito Prazer.

Confusão

A imaginação,
É o irmão,
Da fascinação,
Criando ação,
Sem muita razão,
Para no final então,
Criar confusão.


Passagens

Para os Homens
Com muitos Nomes
Existe o Superior,
De origem Ulterior.

Porque complicamos os Simples,
Se nos perdemos no Fácil,
Deixando para trás o Complexo,
Sonhando com o Existente.

O Homem quer ser Feliz,
Sem querer ser Ator,
Instando em viver por um Triz,
As cenas com grande Ardor,
Quando encontra uma Atriz,
Acredita que encontrou o Amor.

Toda Ilusão,
Tem uma Razão,
Sempre côa a Sensação,
De realizar uma União,

Do Ser com a Comunhão.

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Oficinas de Criação Literária do NETI. 2016.2. Edna Domenica Merola

Crédito da foto Edna D. Merola
As anfitriãs das Oficinas de Criação Literária do N.E.T.I. 2016.2: a Poesia e a Dramaturgia, conforme poderá conferir no cronograma temático que segue:



n

Data
Tema
18/8
Apresentação dos participantes. Caracterização da turma em agrupamentos por idade. Escrever o que uma das cantigas de roda dum rol dado faz lembrar. Apresentação grupal de uma cantiga. Dança em espelho como aquecimento para a escrita coletiva de material poético. http://www.last.fm/fr/music/Petros+Tabouris/_/Sikkinis. Após o exercício de música & movimento foi construído o material para a tarefa da próxima aula, com as rimas: relação, vibração, sensação, aproximação; brincadeira, primeira, companheira, faceira.
25/8
Escrita de texto coletivo a partir dos materiais da aula anterior. Apresentação dos textos feitos pelos grupos e das tarefas de casa (individuais) em formato de sarau. Escolha de músicas para acompanhar os trabalhos.
01/9
 I- Vivência: Jogo de Imaginação Dirigida.     
II-Exercícios escritos:                                                    
1-Agrupamento por palavra chave identificada na escrita individual sobre a vivência
2-Composição de acróstico com o próprio nome. 
3- Construção de poema visual em grupo.
4- Preparo de banner com os acrósticos para exposição na XV SEPEX.
08/9
Dramatização dos trabalhos com os poemas visuais elaborados, na aula de 1/9/2016.
Luz/Ilumina - Josiane, Lenara, Mara Lúcia e Laércio - Primavera (Vivaldi) https://www.youtube.com/watch?v=MJ40QQ78Wjs
Brilho/Estrelas - Maria Antonia, Maria José e Edison - ao som de  https://www.vagalume.com.br/roberto-carlos/cavalgada.html .
Carinho - Catarina, Carmen, Marlene, Ângela - https://www.letras.mus.br/marisa-monte/1964286/ música "Ainda Bem".
Alegria - Luci, Maria Helena, Cleide, Dulce - "Tempo de Alegria"
https://www.letras.mus.br/ivete-sangalo/tempo-de-alegria/
15/9
Soneto (Artur de Azevedo). https://www.youtube.com/watch?v=jB0nc5qgVVI
22/9
Rimas e Métrica. Ora Direis Ouvir Estrelas (Bilac, Bastos, Belchior)
29/9
Vivência do jogo: "Centros energéticos e o despertar da criatividade".  In MEROLA, E. M. De que são feitas as Histórias, p. 62. Produção escrita sobre a vivência.
06/10
Jogral & movimento para elaboração de uma oficina de escrita criativa.
13/10
Preparo da participação na SEPEX.
21/10
Oficina durante a SEPEX (Evento ao ar livre).
27/10
Simbologia do Elemento Terra e jogo de Imaginação Dirigida: "A Caverna". In MEROLA, E. M. De que são feitas as Histórias, p. 64. Produção escrita sobre a vivência. Experimento de escrita motora com música. Experimento de movimento com música e escrita posterior.
03/11
Haicai: 3 versos (ao todo 17 sílabas poéticas). Redondilha maior (versos de 7 sílabas poéticas). Ex.: Por quem sonha Ana Maria. Juca Chaves.
Na a/la/me/da/ da/ Poe/si//a
Cho/ra/ ri/mas/ o/ lu/ar//
Ma/dru/ga/da e A/na /Ma/ri//a
So/nha/ so/nhos/ cor/ do/ mar//
Por/ quem/ so/nha A/na/ Ma/ri//a,
Nes/ta/ noi/te/ de/ lu/ar//?...
10/11
Simbologia do Elemento "Ar" e jogo de Imaginação Dirigida. Criação coletiva sobre o mote "Na Alameda da Poesia".
17/11
Verso, estrofe e pontuação do poema "Testamento" (Manuel Bandeira, 1943). Recomposição de poema a partir do material da criação coletiva de 10/11/2016
24/11
Jogo de Imaginação Dirigida e a simbologia do elemento Água. Produção de texto com os materiais do jogo. https://www.letras.mus.br/guilherme-arantes/46315/
01/12
Encerramento: "Sarau Manhã Poética". Leitura de textos dos autores Mário Quintana e Edna Domenica Merola. 



10/11/2016. Criação Coletiva

Na alameda da Poesia (1)
O arrebatamento de novos encontros (2)
Colorindo o espaço com as cores do arco-íris (3)
Sonho sonhos que um dia vão florescer os sentimentos fraternos (4)
O ar é o elo entre mim e o meu semelhante (5)
O endereço dessa poesia na alameda está na esquina onde se encontram a ginástica com a música (6)
Música, Maestro! Muita música mesmo no ar! (7)
E só existe o ar e nada mais. Então não sou corpo nem mente. Sou só o ar...(8)
Vida: ar que respiro, que transpiro Amor...(9)
Como é difícil amar o que não se vê!(10)
Numa visão clara. (11)
(1) Juca Chaves; (2) Mara Lúcia Bedin; (3) Hans Christian Wiedmann;(4) Maria Antonia Mendes; (5) Carmen Pinho; (6) Laércio Duarte; (7) Edna Domenica Merola; (8) Ademar; (9) Marlene Xavier Nobre; (10) Josiane Chini; (11) Luci Mongilhotti.

Em 21/10/2016 


Estande do NETI. XV SEPEX




Mão erguida em gesto poético
Oficina do NETI. 21/10/2016. 













Apresentação de trecho da peça "Vozes"



Links para acessar as produções referentes ao segundo semestre de 2016:




http://netiativo.blogspot.com.br/2016/08/textos-produzidos-por-catarina-rosali.html

http://netiativo.blogspot.com.br/2016/08/textos-produzidos-por-josiane-chini-nas.html

http://netiativo.blogspot.com.br/2016/08/textos-produzidos-por-angela-tatiana.html

http://netiativo.blogspot.com.br/2016/08/textos-de-laercio-duarte.html



http://netiativo.blogspot.com.br/2016/08/textos-produzidos-por-maria-antonia.html

http://netiativo.blogspot.com.br/2016/08/textos-produzidos-por-cleide-pimentel.html

http://netiativo.blogspot.com.br/2016/08/textos-produzidos-por-mara-lucia-bedin.html

http://netiativo.blogspot.com.br/2016/08/textos-produzidos-por-carmen-jaecir-de.html