sábado, 7 de janeiro de 2017

Oficinas de Criação Literária N.E.T.I./UFSC. Edna Domenica Merola

Créditos foto Edna D. Merola
As Oficinas de Criação Literária destinam-se à canalização do potencial criativo do participante em prol do aprimoramento de sua expressão escrita, no estudo e prática das técnicas de redação. Realizam-se no NETI – Núcleo de Estudos da Terceira Idade – Campus Universitário da UFSC– Trindade – SC – Brasil. 

1- Para quem o curso se destina?
O curso é ideal para pessoa maior de 50 que decidiu: aprender técnicas para escrever sobre os assuntos de que gosta; praticar a escrita criativa com constância; participar efetivamente de um grupo de pessoas com metas semelhantes às suas em relação ao estudo. 
2-Quais são as atividades desenvolvidas?
Durante o curso o aluno irá 'jogar'/brincar durante as dinâmicas; irá ler; irá escrever; irá expor seus trabalhos. Essas atividades poderão melhorar a autoestima e a sociabilidade; estimular as funções cognitivas; manter habilidades para interagir 'socialmente'.
3- Quais são os quesitos esperados para a participação?
Ter cursado no mínimo o Ensino Médio Completo, gostar de ler e de escrever, saber enviar e responder e-mails; ter acesso a dicionário editado após a reforma ortográfica (2009).
Ter acesso ao Word e saber usar os comandos: ‘revisão' e ‘ortografia e gramática’ para proceder à revisão de seus próprios textos. 
4- Qual a finalidade do blog do curso?
O curso conta com o blog NETIAMIGO cuja finalidade é registrar as aulas dadas num semestre e os trabalhos dos alunos que decorreram dessas aulas. Para publicação no blog, os alunos frequentes deverão diagramar os trabalhos realizados em layout A4; Times New Roman e tamanho 14; espaço simples; sem recuo de parágrafo. Enviar os textos diagramados em anexo ao e-mail enviado para o endereço eletrônico da professora. 
5 - Quais os avisos necessários para quem quer se inscrever?
‒ Adota-se passar tarefas para casa. Essas nunca são repetitivas ou desnecessárias.
‒ Não se trata de aula de ortografia, pontuação, concordância, conjugação verbal, colocação pronominal; mas pode ser uma boa oportunidade para voltar a estudar esses quesitos em casa.
‒ Não se trata de divulgar, reunir ou congregar escritores; mas poderá congregar pessoas (em sua humanidade).
‒ Não é psicoterapia, mas poderá contribuir para melhorar o humor.
‒ Trata-se de aulas sobre Literatura e técnicas de Produção de Textos nas quais a Professora Edna Domenica Merola utiliza construtos da teoria moreniana de papéis e estratégias didáticas variadas (jogos dramáticos, dinâmicas de grupo, jogos de imaginação dirigida) como aquecimento para a escrita.
6- Quais são seus fundamentos e metas?
As oficinas têm por fundamentos o Psicodrama aplicado ao ensino-aprendizagem de maiores de 50 anos. O projeto tem por metas exercitar habilidades cognitivas e favorecer interações sociais.
7- Qual é o seu mote?  
O curso ‒ formatado em oficinas ‒ é de maior complexidade do que uma proposta de oficinas independentes entre si. O grau de compromisso do aluno com o processo de aprendizagem é maior do que apenas ouvir as exposições da professora. Portanto, complexidade e compromisso garantem o aproveitamento do tempo que professora e alunos dedicam nesse convívio que tem por pano de fundo o processo ensino-aprendizagem.

Objetivos
– Treinar os papéis de narrador (2017.1) e de ‘eu lírico’ (2017.2);
– desenvolver o papel social de escritor por meio de sua complementação com o papel de leitor;
– facilitar as habilidades de interagir socialmente e de criar vínculos;
– treinar o papel de leitor/performer;
 incentivar o treino da digitação a fazer como tarefa de casa que deverá ser enviada em documento ‘em anexo’ ao e-mail para a professora. Os padrões do documento são os já citados para o blog (layout A 4, etc.)
 incentivar o uso do corretor do Word, do dicionário e da gramática.
 incentivar a postagem de comentários no Blog Netiativo. 

Metodologia
As ações pedagógicas realizadas para favorecer o desempenho cognitivo, sócio-afetivo e sócio-existencial recorrem a estratégias criadas para que o participante treine a habilidade de estabelecer vínculos, estreite a relação com a própria interioridade, e conheça dados culturais novos.
O papel de escritor (a) é apreendido pelo treino dos papéis de narrador (a) e de ‘eu lírico’.
O desenvolvimento do papel de narrador é treinado pelas atividades de criação de cartas, contos, fábulas; reescrita de mitos; e leitura de cartas, contos e crônicas.
O desenvolvimento do papel de ‘eu lírico’ é delineado por atividades que incluem a criação de imagens e da sua expressão pela linguagem metafórica e pelo uso da rima, da métrica e do ritmo.

Resultados
A vivência grupal possibilita que a maturidade possa ser experimentada como uma etapa de vida compactuada de forma vivaz. Cada participante desenvolve o papel de escritor (a) conforme suas aptidões, capacidades e motivações. Cada participante terá uma página no blog do curso com todas as suas produções realizadas a partir das oficinas.
A predisposição do (a) aluno (a) para digitar seus textos enriquece sua participação, reforçando o hábito da escrita, e da divulgação de seus textos para serem apreciados e comentados. A predisposição para acessar dicionários, gramáticas, tábua de verbos, corretor do "Word" e demais recursos digitais faculta a aprendizagem da reescrita (revisão dos textos).

Histórico
As Oficinas de Criação Literária do N.E.T.I. tiveram início em março de 2013. Até dezembro de 2016, foram ministradas aulas para oito diferentes turmas de alunos, cuja escolaridade alternou entre o ensino médio e o superior. Os cursos ocorreram em sala confortável que conta com tecnologia adequada. Os alunos foram instigados a produzir um texto por semana.Os grupos foram geralmente heterogêneos, abarcando experiências de várias épocas de vida e de pessoas oriundas de: Florianópolis e demais cidades, principalmente da Região Sul do Brasil.
Em decorrência das oficinas, a professora produziu textos didáticos (vide Sínteses Semestrais) com objetivo de explicar elementos da produção escrita dos diferentes tipos de textos e de informar sobre a revisão e a formatação de textos. Os textos sobre a metodologia construída e seus fundamentos na teoria de papéis (MORENO, 1974) constam das publicações de MEROLA (2014, 2015 e 2016). Dentre as estratégias utilizadas, destaca-se o Átomo social aplicado à aprendizagem da criação de personagens (MEROLA, 2015) que consta da síntese semestral de 2016.1, no texto "Cartas: espaços de diálogo e protagonismo", disponível em http://netiativo.blogspot.com.br/2016/05/cartas-espacos-de-dialogo-e.html .


Sínteses semestrais
2015.2 ‒ Gênero Epistolar (cartas).
2015.1 ‒ Textos para Teatro
2014.2 ‒ Poesia e Audição de Música Popular.
2014.1 ‒ Textos Narrativos
2013.2 ‒ Textos Poéticos.

Fontes:

BUZAN, Tony. Mapas Mentais e sua Elaboração. São Paulo: Cultrix, 2005.

LODGE, David. A Arte da Ficção. Trad. Bras. Porto Alegre: L& PM Pocket, 2011.

MEROLA, Edna Domenica. Pedagogia do Psicodrama: a ação do grupo no desenvolvimento de papéis da pessoa idosa. Monografia de conclusão do Curso de Especialização em Atenção à Saúde da Pessoa Idosa. Orientadora: Maria Celina da Silva Crema. UFSC, CCS, N.E.T.I., 2015, 46 f.
____________ De que são feitas as Histórias. Florianópolis: Postmix, 2014.
____________ Cartas em Posfácio. In Diálogos da Maturidade. Postmix, 2016.

MORENO, J.L. Psicodrama. 2 ed, São Paulo: Cultrix, 1978.
___________ Psicoterapia de Grupo e Psicodrama. Trad. bras. São Paulo: Mestre Jou, 1974.

SCHIER, J. ; ALVAREZ, Â. M.; VAHL, E.; GONÇALVES, L. H. T. – 30 Anos NETI: o percurso de um modelo de educação permanente em Gerontologia. Extensio (Florianópolis), v. 10, p. 02-02, 2013.

SENE COSTA, E. Gerontodrama: a velhice em cena. (Estudos clínicos e psicodramáticos sobre o envelhecimento e a terceira idade.). São Paulo: Ágora. 1998.

ADENDO I - Planejamento, confecção e reescrita: fases da produção de um texto.

A escrita é um ato solitário. Na maturidade, é importante exercê-lo para ficarmos bem conosco e aprimorar a autoestima.
A escrita é uma forma de produzir conhecimento que pressupõe interação e encontro. Possui três fases: o planejamento, a confecção e a reescrita.
Segundo Antunes (2003), o planejamento pressupõe: delimitação do tema; eleição de objetivos; escolha do gênero; estabelecimento de critérios para ordenar as ideias; definir quem será o leitor e adequar a forma linguística.
Adultos escolarizados são capazes de cumprir a fase de planejamento do texto isoladamente, já que detêm autonomia. A exposição à interferência de oficinas pode tornar o processo mais gratificante. “Uma oficina tem por foco a reflexão sobre a própria prática educativa do participante, o que pressupõe que ele esteja desempenhando o papel em pauta e se disponha a realizar as propostas apresentadas pela ministrante e compartilhar com colegas os seus resultados.” (MEROLA, 2015, f 36).
Para Antunes (2003), a fase de confecção da produção textual implica na escolha das palavras e das estruturas das frases em conformidade com a situação de comunicação e com a garantia do sentido, da coerência e da relevância. A oficina de criação literária “é o espaço onde são oferecidas atividades práticas de criação pela palavra escrita, proporcionando novos conhecimentos e vivências.” (MEROLA, 2014, p 49).
Para Antunes (2003), na fase de reescrita (revisão), procede-se à análise do que foi escrito para decidir o que irá permanecer, o que será eliminado e o que será reformulado. Corrige-se a concatenação entre as partes (períodos, parágrafos, blocos de parágrafos), assim como os aspectos sintáticos, semânticos, pontuação, ortografia.
Na prática do aluno, o exercício de reescrita implica em reler o que escreveu, em pesquisar as dúvidas e em adequar o texto às normas linguísticas. A reescrita vale como exercício cognitivo e aprimora a capacidade de comunicar. 
Existencialmente, a fase de reescrita é revigorante, é pausa, é descanso, é o tempo de curtir o texto para melhorá-lo, para elaborar as ideias comunicadas, para refletir sobre os sentimentos expressos.
Nas Oficinas de Criação Literária, a análise linguística não é sistematizada em sala de aula. Minha meta como professora é que cada aluna retome o estudo da língua portuguesa do ponto que tiver necessidade e que passe a ler o suficiente para desenvolver a sua escrita. Outrossim, o Ensino Médio completo é pré- requisito para a inscrição e para os que não detêm tal grau de estudos, há cursos supletivos, no próprio NETI. As orientações dadas pela professora em relação à análise linguística ocorrem por meios digitais. Portanto, a responsabilidade pela reescrita dos textos produzidos nas oficinas incidirá sobre a própria aluna. 


REFERÊNCIAS

ANTUNES, Irandé. O trabalho com a escrita. In: Aula de Português – encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003, p. 26- 27.

MEROLA, Edna Domenica. De que são feitas as histórias. Florianópolis: Postmix, 2014, p. 49.
____________________ Pedagogia do Psicodrama: a ação do grupo no desenvolvimento de papéis da pessoa idosa. Monografia do Curso de Especialização em Atenção à pessoa Idosa, CCS/UFSC, 2015, f 36.


ADENDO II - revisar e avaliar, reescrever, digitar, comentar.
 MEROLA, E. D. Reescrita: o uso da norma culta. Maio de 2013. Disponível em
http://aquecendoaescrita.blogspot.com.br/2013/05/reescrita-de-texto-de-propria-autoria.html
 MEROLA, E. D. Comentar e apreciar literatura. Setembro de 2013. Disponível em
MEROLA, E. D. Recursos Digitais na Escrita:processo e produto. 05 de maio de 2014. Disponível em http://netiativo.blogspot.com.br/2014/05/recursos-digitais-na-escrita-processo-e.html
MEROLA, E. D. Produção Textual na Escola. Novembro de 2016. Disponível em


ADENDO III - Sobre a escrita criativa. MEROLA, E. D. - 


ADENDO IV - Sobre textos literários
ADENDO V - Sobre os livros de autoria da Professora da Oficina de Criação Literária do N.E.T.I.

ADENDO VI - Sobre a Pessoa Idosa
MEROLA, E.D. O Estatuto do Idoso e a Saúde. Disponível em
___________ Lições sobre cuidar e ser cuidado. Disponível em
___________ Atividade física e o Idoso. Disponível em
http://redeidosos.blogspot.com.br/2015/01/atividade-fisica-e-o-idoso-um-exercicio_30.html

ADENDO VII - Para quem deseja compartilhar seus escritos 

Quem quer presentear a família e os amigos com seus textos escritos a partir das oficinas pode aprender a fazê-lo por meios próprios. Digite seus textos em sua casa e leve para uma loja de xerox imprimir em formato de livreto (A5). Guarde a matriz impressa para usá-la nas datas em que irá fazer cópias para presentear. Enquanto isso, aprenda a fazer a encadernação artesanal. Consulte instruções disponíveis na Internet, como, por exemplo, o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=uS0EKtTcXQ8
Para aqueles que persistem com o desejo de serem autores independentes compartilho alguns passos para publicar um livro impresso:
1- Selecione dentre seus escritos ou projetos de escrita um título com mais ou menos 110 páginas;
2-Defina quantos exemplares você quer publicar;
3-Procure gráficas e peça orçamentos, por exemplo, para os itens: 
‒ Livro com capa colorida (costurada) e miolo em branco e preto com 112 páginas, tamanho A5; impressão 1x1; papel Offset 75 g/m2; capa couchê 250 g/m2 laminada brilho, acabamento brochura;
‒ Ficha catalográfica feita por uma bibliotecária;
‒ Inscrição do livro no ISBN. 
4- Passe a compor sua ‘poupança’ para a publicação. Faça de conta que o valor de cada exemplar é uma “ação” bancária e vá compondo sua “carteira”, conforme puder. Ex.: se o seu livro irá custar "x" por exemplar, você terá de estabelecer quantos múltiplos de "x" poderia reservar mensalmente para tal finalidade. Se o prazo parecer longo demais, opte pela publicação por editora digital (que costuma ser sem custos para autores).
5- Acostume-se a digitar seus textos no Word com padrões comuns de diagramação de livro: layout A5, time news Roman, tamanho 11 ou 12, espaço simples e justificado. Saber digitar e diagramar um livro é importante para uma escritora, pois uma gráfica considera isso à parte no orçamento, assim como a criação da capa. As editoras digitais oferecem capas comuns, mas você precisará ser capaz de diagramar e de postar seu livro sob os parâmetros dados por elas.
6- Aprenda a fazer capa no seu computador. A capa em A5 (tamanho comum de livro) deve ter 1748 pixels de largura por 2480 pixels de altura. O formato é em JPG. O peso não deve ultrapassar 2MB.
7- Aprimore sua escrita: use o corretor ortográfico do Word, consulte o dicionário, estude gramática.

‒ Links para consultas sobre o significado da palavra, a ortografia, o número de sílabas, a sílaba tônica.

‒ Links para estudos que envolvem a reescrita
Ortografia.

Pontuação

Concordância

Conjugação Verbal

Colocação Pronominal

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Oficinas de Criação Literária do NETI. 2016.2. Edna Domenica Merola

As anfitriãs das Oficinas de Criação Literária do N.E.T.I. 2016.2 foram a Poesia e a Dramaturgia, conforme poderá conferir no cronograma temático que segue:


2016
Tema
18/8
Apresentação dos participantes. Caracterização da turma em agrupamentos por idade. Escrever o que uma das cantigas de roda dum rol dado faz lembrar. Apresentação grupal de uma cantiga. Dança em espelho como aquecimento para a escrita coletiva de material poético. http://www.last.fm/fr/music/Petros+Tabouris/_/Sikkinis. Após o exercício de música & movimento foi construído o material para a tarefa da próxima aula, com as rimas: relação, vibração, sensação, aproximação; brincadeira, primeira, companheira, faceira.
25/8
Escrita de texto coletivo a partir dos materiais da aula anterior. Apresentação dos textos feitos pelos grupos e das tarefas de casa (individuais) em formato de sarau. Escolha de músicas para acompanhar os trabalhos.
01/9
 I- Vivência: Jogo de Imaginação Dirigida. II - Exercícios escritos: 1-Agrupamento por palavra chave identificada na escrita individual sobre a vivência; 2-Composição de acróstico com o próprio nome; 3- Construção de poema visual em grupo; 4- Preparo de banner com os acrósticos para exposição na XV SEPEX.
08/9
Dramatização dos trabalhos com os poemas visuais elaborados, na aula de 1/9/2016. Luz/Ilumina - Josiane, Lenara, Mara Lúcia, Laércio - Primavera (Vivaldi) https://www.youtube.com/watch?v=MJ40QQ78Wjs/ Brilho/Estrelas - Maria Antonia, Maria José e Edison - ao som da música Cavalgada /Carinho - Catarina, Carmen, Marlene, Ângela - ao som da música "Ainda Bem". Alegria - Luci, Maria Helena, Cleide, Dulcirene - "Tempo de Alegria".
15/9
Soneto (Artur de Azevedo). https://www.youtube.com/watch?v=jB0nc5qgVVI
22/9
Rimas e Métrica. Ora Direis Ouvir Estrelas (Bilac, Bastos, Belchior). http://netiativo.blogspot.com.br/2013/11/rimas-e-metrica-soneto-de-bilac-e.html
29/9
Vivência do jogo: "Centros energéticos e o despertar da criatividade".  In MEROLA, E. M. De que são feitas as Histórias, p. 62. Produção escrita sobre a vivência.
06/10
Jogral & movimento para elaboração de uma oficina de escrita criativa.
13/10
Preparo da participação na SEPEX.
21/10
Oficina durante a SEPEX (Evento ao ar livre).
27/10
Simbologia do Elemento Terra e jogo de Imaginação Dirigida: "A Caverna". In MEROLA, E. M. De que são feitas as Histórias, p. 64. Produção escrita sobre a vivência. Experimento de escrita motora com música. Experimento de movimento com música e escrita posterior.
03/11
Haicai: 3 versos (ao todo 17 sílabas poéticas). Redondilha maior (versos de 7 sílabas poéticas). Ex.: Por quem sonha Ana Maria. Juca Chaves. Na a/la/me/da/ da/ Poe/si//a
10/11
Simbologia do Elemento "Ar" e jogo de Imaginação Dirigida. Criação coletiva sobre o mote "Na Alameda da Poesia".
17/11
Verso, estrofe e pontuação do poema "Testamento" (Manuel Bandeira, 1943). Recomposição de poema a partir do material da criação coletiva de 10/11/2016
24/11
Jogo de Imaginação Dirigida e a simbologia do elemento Água. Produção de texto com os materiais do jogo.


Produções coletivas:
I - Banner com acrósticos referentes aos nomes dos participantes da turma 2016.2



II - Criação coletiva em versos livres

Na alameda da Poesia (1)
O arrebatamento de novos encontros (2)
Colorindo o espaço com as cores do arco-íris (3)
Sonho sonhos que um dia vão florescer os sentimentos fraternos (4)
O ar é o elo entre mim e o meu semelhante (5)
O endereço dessa poesia na alameda está na esquina onde se encontram a ginástica com a música (6)
Música, Maestro! Muita música mesmo no ar! (7)
E só existe o ar e nada mais. Então não sou corpo nem mente. Sou só o ar...(8)
Vida: ar que respiro, que transpiro Amor...(9)
Como é difícil amar o que não se vê!(10)
Numa visão clara. (11)

(1) Juca Chaves; (2) Mara Lúcia Bedin; (3) Hans Christian Wiedmann;(4) Maria Antonia Mendes; (5) Carmen Pinho; 
(6) Laércio Duarte; (7) Edna Domenica Merola; (8) Ademar; (9) Marlene Xavier Nobre; (10) Josiane Chini; 
(11) Luci Mongilhotti.

Em 21/10/2016, participação na XV SEPEX com oficina ao ar livre, após visita ao estande do NETI.

Estande do NETI. XV SEPEX


Apresentação:trecho da peça "Vozes"



quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Cartas a quem deseja "seguir" a poesia. Edna Domenica Merola

Nas cartas ficcionais, a seguir, emissores e remetentes (Sonhadora, Semeadora, Responsável pelas Inscrições, Professora, Aluna Beatriz, Futura Aluna) dialogam sobre oficinas literárias e a 'prática' da criatividade como combate ao isolamento existencial para maiores de 50 anos. Explica-se a escolha das anfitriãs das Oficinas de Criação Literária do N.E.T.I. 2016.2: a Poesia e a Dramaturgia. 





Porto Maduro, 01 de setembro de 2016.
Caros alunos,

Tendo por objetivos: constituir o grupo e reconhecer o acróstico como forma poética que explora os recursos gráficos visuais, proponho que cada um faça um acróstico com seu primeiro nome. Para quem não se lembra de como se faz, envio um que foi feito pela Edna (MEROLA).

ACRÓSTICO

Aprenda
Com a visão:
Rever não é
Ócio.
Socializar
Traz parceiros...
Inventar
Com dedicação é
O mister da poesia!

Atenciosamente, a Professora.


Porto Informativo, 12 de julho de 2016.
Cara Responsável pelas inscrições para as Oficinas Literárias,

Meu sonho é escrever pelo menos um poema nesta minha vida que tem sido muito boa... Mas que pode melhorar ainda mais.
Creio que poetas têm um dom especial. Mas pergunto-lhe, mesmo assim: é possível para alguém que nunca escreveu “versinhos” (nem na escola primária) aprender a escrevê-los, num semestre, depois de idosa?
Aguardo sua resposta para decidir se irei ou não me inscrever na Oficina de Criação Literária.
Atenciosamente, a Sonhadora.


Porto Informativo, 13 de julho de 2015.
Olá, Sonhadora,

Passei sua pergunta para a professora e ela me disse que a aprendizagem varia de pessoa para pessoa, mas que eu deveria encorajá-la a participar, desde que você tivesse hábito de ler com frequência. Constata-se que quanto maior a escolaridade mais rápida é a adaptação às tais oficinas. O curso é para quem cursou no mínimo o Ensino Médio. Não será necessário comprovar se o grau escolar foi obtido ou não. Como você sonha em aprender, precisamos mostrar-lhe qual será o grau de desafio, para que você não se desiluda.
Atenciosamente, a Responsável.


Porto Informativo, 14 de julho de 2016.
Cara Professora,

É verdade que os poetas vivem num mundo à parte?
Fernando Pessoa escreveu na primeira estrofe do poema Autopsicografia: 

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

Se os poetas fingem a dor, será que fingem também o amor que declaram às suas musas? 
Beatriz.


Porto Informativo, 15 de julho de 2016.
Cara aluna Beatriz,

“O poeta é um fingidor” já que não relata fatos autobiográficos, mas representa a dor humana e a transcreve em forma de texto poético. O leitor, por sua vez acreditará que o poeta simplesmente imaginou “A dor que deveras sente”.
Fernando Pessoa explicou que os poetas se despersonalizam como numa representação teatral:
O ponto central da minha personalidade como artista é que sou um poeta dramático; tenho continuamente, em tudo quanto escrevo, a exaltação íntima do poeta e a despersonalização do dramaturgo. Voo outro ‒ eis tudo. (PESSOA, 1935).
Beatriz: musa de Dante
Os nomes das musas não têm a ver com a vida íntima dos poetas. Por exemplo, as musas dos poetas do arcadismo (século XVIII) foram copiadas dos poetas da Antiguidade Clássica (século VIII A.C. ao séc. V D.C.). 
Há uma tradição de copiar nomes de musas, até hoje. Consegue lembrar quantas personagens Beatriz houve nas novelas televisivas? Sabia que Beatriz era o nome da musa de Dante Alighieri? (1265-1321).
Huizinga. 1872-1945. 
Por ser um dos gêneros literários, a poesia é uma atividade arquetípica, cuja tônica é o jogo. 
Huizinga afirmou:
Por detrás de toda expressão abstrata se oculta uma metáfora, e toda metáfora é jogo de palavras. Assim, ao dar expressão à vida, o homem cria um outro mundo, um mundo poético, ao lado do da natureza. As grandes atividades arquetípicas da sociedade humana são, desde início, inteiramente marcadas pelo jogo. (HUIZINGA, 2000, p 7).

Portanto, a palavra é abstração; é representação daquilo que é imaginado e expresso pela linguagem metafórica (poética) ou pelo jogo de/com 'palavras'. Esse jogo peculiar está implícito na poesia e no teatro
O poeta cria o "eu lírico", inventa a musa, idealiza o amor, imagina um estado poético e o expressa num poema para o deleite da leitora.
Atenciosamente, a Professora

Porto Informativo, 18 de julho de 2016.
Professora das Oficinas de Criação Literária,

Poderia antecipar algo sobre as Oficinas do próximo semestre?
Abraço, da Futura Aluna.


Porto Informativo, 19 de julho de 2016.
Cara Futura Aluna,

Anteciparei algo sobre a metodologia adotada e seus fundamentos; os objetivos e proposta de curso para o semestre vindouro. 
Considerando que a palavra é abstração → metáfora → jogo (teatro) → poesia, a metodologia adotada nas Oficinas Literárias do NETI é lúdica. 
O uso do jogo didático aqui referido é uma interpretação do psicodrama sob um enfoque histórico-cultural. 
J. L. Moreno (1899- 1974)

Moreno identificou três fases no desenvolvimento de um papel: a primeira que é a tomada de um papel; a segunda que é a fase em que se joga o papel e a terceira que ocorre quando se cria sobre o papel. Quanto mais desenvolvido for o papel, maior será a espontaneidade que ele apresenta, ou seja, maior a capacidade de dar respostas novas a situações novas ou respostas adequadas a situações velhas. 
O fator espontaneidade é passível de desenvolvimento na interação com os colegas de aprendizagem, dadas as circunstâncias estabelecidas pelos contextos, instrumentos e etapas do jogo dramático que configuram a atividade como vivência de teor ético e estético. O jogo ou desempenho de papéis depende naturalmente de interações potenciais de um grupo. 
O empobrecimento das relações em pessoas idosas pode estar associado ao isolamento que ocorre de diferentes formas
Irvin D. Yalom
I. Yalon. Washington, 1931

"O isolamento interpessoal refere-se ao abismo entre o sujeito e os outros. É vivenciado como solidão e pode ser melhorado por uma capacidade maior de criar e manter a intimidade com terceiros.” (YALOM, 2009, p. 37‒38).
Mais grave do que a solidão é o isolamento existencial: “refere-se a um abismo intransponível não apenas entre o eu e qualquer outro ser, mas também entre o eu e o mundo.” (YALOM, 2009, p. 38). 
Uma das evidências do isolamento existencial seria a baixa frequência de comportamentos criativos. Portanto, tratar do isolamento significa cuidar da criatividade.
Moreno (1978) considera que o ato criador está no processo da criação artística ou científica e não em seu produto que passa a ser conserva-cultural. Com o desenvolvimento da tecnologia, os cidadãos comuns substituíram "a onipresença no espaço pelo poder no espaço", e a onipresença temporal pelo poder no tempo, decorrente de "tudo aquilo que pertence à cultura e cuja repetição é desprovida de espontaneidade". No entanto, "a conserva-cultural só é de ajuda quando o indivíduo vive num mundo relativamente estável". O fortalecimento das possibilidades pessoais conta com o exercício da "espontaneidade".
Elisabeth Sene-Costa
E. Sene-Costa. Psicodramatista bras.
As respostas existenciais espontâneas facultam em relação aos papéis, segundo categorias apontadas por Sene Costa (1998): "tomar, aceitar, assumir ou adotar, desempenhar, jogar ou representar, criar ou reformular, desenvolver, recuperar, escolher, conquistar ou ganhar, ampliar".
Nas Oficinas de Criação Literária 2016.2, o papel de "eu lírico" será estimulado com o intuito de criar o papel de poeta. Já o teatro será a forma de desempenhar, representar e ampliar esse papel. 
Atenciosamente, a Professora.


REFERÊNCIAS

MEROLA, Edna Domenica. Pedagogia do Psicodrama: a ação do grupo no desenvolvimento de papéis da pessoa idosa. Monografia de conclusão do Curso de Especialização em Atenção à Saúde da Pessoa Idosa. Orientadora: Maria Celina da Silva Crema. UFSC, CCS, N.E.T.I., 2015, 46 f.
____________ Cartas em Posfácio. In Diálogos da Maturidade. Postmix, 2016.

MORENO, J.L. Psicodrama. 2 ed, São Paulo: Cultrix, 1978.

SENE COSTA, E. Gerontodrama: a velhice em cena. (Estudos clínicos e psicodramáticos sobre o envelhecimento e a terceira idade.). São Paulo: Ágora. 1998.

YALOM, I. D. Vou Chamar a Polícia: e outras histórias de terapia e literatura. Rio de Janeiro: Agir, 2009.